Formulário de Cadastro no Topo

Como Lidar Com a Flexibilidade de Horários dos Cursos Individuais / Interativos?



Olá, se você é dono de escola, instrutor ou divulgador, aqui estão algumas perguntas comuns que você escuta no dia a dia:

"Quanto tempo dura esse curso?"
"Quantas aulas por semana eu posso fazer?"
"Se eu fizer duas aulas na semana, em quanto tempo eu termino?"
"Se eu terminar antes, preciso pagar todas as parcelas?"
"E seu eu não conseguir terminar no prazo, tenho que pagar mais?"

Enfim, se você utiliza metodologia interativa, como você responde essas dúvidas comuns dos seus alunos?

Resolvi criar este post, depois de conversar com um amigo que é instrutor em uma escola profissionalizante e acompanha o blog...

Ele relatou que estava com certa dificuldade na questão da duração dos cursos na sua unidade, já que os alunos terminam em tempos diferentes, mas pagam o mesmo valor...

Como lidar com essa situação? 

Afinal, é normal, cada aluno tem um ritmo de aprendizagem e como na maioria das escolas, são ofertados cursos interativos, é difícil programar exatamente quando esse aluno vai terminar...

Tem solução? Sim!!!  :-)

E não, não estou falando em "enrolar" o aluno que vai terminar antes, nem "apressar" o aluno que vai demorar um pouco mais, porque se fizer isso, estará desperdiçando a principal vantagem do curso interativo / individual, que é justamente o respeito ao tempo e ao ritmo de cada aluno.

Por isso, antes de explicar, deixa eu chamar a atenção de alguns donos de escola:   

Em primeiro lugar: é a sua escola que precisa se adaptar às necessidades e exigências dos alunos, hoje eles tem pressa, querem a solução pronta e rápida, sem "embromation", por isso, "esqueça a ideia de tentar mudar o mundo, reme a favor da maré, é menos doloroso e acredite, mais lucrativo".

Em segundo lugar: se você ainda tenta forçar o seu aluno a estudar 12, 18 meses em um curso interativo básico de informática (por exemplo), você está parado no tempo, as pessoas estão em busca de facilidade e rapidez, se você não oferece isso, seu concorrente pode estar feliz da vida com você...

OK, desculpe as "chamadas de atenção", mas o objetivo do blog é justamente oferecer novos pontos de vista para que você possa refletir e melhorar... :-)

Vamos à solução:

A questão na verdade é bem simples, é uma mudança de visão, passe a enxergar seu curso como um produto normal, como qualquer outro, que de fato é, e comece vender seu curso dessa forma, ou seja, não venda mais "tantos meses de aula", venda "um curso de tantas horas".

Venda uma "solução" ou um "produto" para seu cliente, não venda "tempo" para ele. Entendeu?

Se você vende um curso de 12 meses, você está criando um problema para sua escola e para seu cliente, afinal, você terá que mantê-lo por um ano ativo, pagando mensalidades, vindo para as aulas, etc...

E ele terá que aguardar um ano para concluir, nesse tempo, muita coisa pode acontecer, ele pode arrumar um emprego, pode casar, mudar de cidade, enjoar do curso...

Se você vende um curso de tantas horas, você está criando uma solução para você e seu cliente, você poderá receber o curso completo em menos tempo, ele poderá terminar antes e quem sabe até renovar a matrícula para um novo curso...

Enfim, usufrua do benefício da flexibilidade que o método interativo oferece para sua escola...

O que importa é que o seu aluno fique satisfeito com sua escola, que conclua o curso e o pagamento e quando se fala em pagamento, quanto antes ele fizer isso, antes você "alegrará" seu caixa.

Reflexão:
- Você prefere ganhar 1000.00 em 12 meses ou em 1 dia?
- E se fosse você no lugar do aluno, gostaria de fazer o curso em 12 meses ou 2?


Vamos para a prática:

Se você também passa por esse problema, comece fazer diferente, crie planos flexíveis para seu aluno, deixe que ele decida como quer pagar e por quanto tempo quer estudar na sua escola.

Não tente força-lo a ficar meses e meses contra a vontade, ele vai desistir e não há contrato ou multa que mude isso. (no fundo você sabe que isso é real)

Se adaptando a ele, você atende as exigências e necessidades do seu aluno e não fica remando contra a maré, tentando criar um mundo que no fundo você sabe que não é o ideal, mas que insiste, por que tem medo da mudança.

Abaixo vou deixar um exemplo de como é nossa tabela de preços, note que em qualquer plano, é o aluno que escolhe por quanto tempo ficará na escola, quantas aulas fará na semana...

Não se preocupe, se você ainda está no método antigo de fixar o curso em meses, talvez no começo você ache isso um pouco estranho, mas logo ficará bem mais simples o gerenciamento da escola e não tenha dúvidas, seu número de alunos e faturamento vai aumentar.


-------------------------------------------------------------------------------------------------

Para finalizarmos, vamos relembrar algumas dicas:

10 matrículas vendidas à vista, no cartão ou no cheque, geram o mesmo faturamento que 100 matrículas vendidas em mensalidades no boleto.

O que importa para sua escola, não é a quantidade de alunos vindo estudar um ou duas vezes por semana, o que importa é quanto de faturamento sua escola produz em cada mês.


É possível faturar 15 mil reais (por exemplo), vendendo 20 cursos de 750 reais em um mês, ou faturar os mesmos 15 mil recebendo 150 mensalidades de 100.00.


Você prefere faturar 15 mil com 20 alunos ou prefere faturar 15 mil com 150 alunos para poder contar para os amigos que tem 150 alunos?


O que é mais fácil? Gerenciar 20 alunos ou 150 alunos?
O que gera mais trabalho e custos, 20 ou 150 alunos?



------------------------------------------------------------------------------------------------

Então é isso, espero que você tenha gostado de mais este post e claro, que ele seja muito útil para sua escola.

Se ainda não se inscreveu na lista de e-mails, basta preencher seus dados abaixo, 

----------------------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout exclusivo do blog - Fazendo Certo | Feito por: Alice Grunewald | Tecnologia do Blogger | Cópia total ou parcial é proíbida ©